Afastamento do prefeito e vereador de Beberibe é por 180 dias

0
743
Prefeito padre Pedro Cunha (E) e o vereador Eduardinho / Revista Litoral Leste Ceará

Atualização em 19/12/2018

A Justiça estadual determinou o afastamento por 180 dias doprefeito padre Pedro Cunha e do vereador Eduardo Alves Carvalho Filho, oEduardinho, de Beberibe. Também expediu mandados de busca e apreensão nasresidências de outras 18 pessoas. A decisão foi proferida na terça-feira,18/12, pelo juiz Magno Rocha Thé Mota, da 1ª Vara da Comarca daquele Município.Os nomes dos demais envolvidos não foram revelados porque o processo tramita emsegredo de Justiça.

As determinações ocorreram por meio da operação “Cartas Marcadas”, que investiga irregularidades em contratações e licitações realizadas pela administração pública local. De acordo com a denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), as investigações iniciaram em janeiro de 2017. Em outubro deste ano, o órgão ministerial ingressou com ação na Justiça solicitando a quebra do sigilo bancário e afastamento dos envolvidos, sendo deferido pelo juiz, no mesmo mês, acesso aos dados financeiros.

Na semana passada, o MPCE renovou o pedido de afastamento. Ao analisar o caso, na segunda-feira (17/12), o juiz determinou o afastamento dos políticos de suas respectivas funções. Já os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na manhã de terça-feira (18/12).

Afastamento na Câmara

Na segunda-feira (10/12), o plenário da Câmara Municipal de Beberibe já havia baixado decreto legislativo, afastando o prefeito padre Pedro Cunha (PSD), por um prazo de até 90 dias,  por possíveis crimes de responsabilidade. Coma decisão (11 votos a 2), o vice Tharsio Facó (PPS) assumiu o comando do município.

O prefeito não tem a maioria na Casa legislativa e o presidente da Câmara de Vereadores, Eduardo Lima, é oposição ao Chefe do Executivo municipal.

A denúncia foi apresentada por Armando Sombra Bonfim e Fabiano Rocha Sousa, sobre “possíveis desvios de conduta na gestão do Erário municipal”.

Pedro Cunha enfrenta uma série de denúncias em Beberibe, como o atraso em três meses do salário de servidores, acúmulo de lixo na cidade, além de uma licitação anulada por várias irregularidades no processo.

Em contato na semana passada com a Imprensa, o prefeito afirmou se tratar de uma perseguição política. “Querem tomar o poder de qualquer jeito. Dizem que estão pensando no município, mas não estão”.

DEIXE UMA RESPOSTA