Governadores divulgarão carta contra retirada de estados da reforma da Previdência

0
474
Caixa dos estados estão no limite – Foto: Agência Brasil

Os governadores pretendem divulgar uma carta de repúdio às articulações para excluí-los da reforma da Previdência em tramitação no Congresso. Deputados insatisfeitos em arcarem com os desgastes políticos de aprovar a proposta, querem que os chefes dos Executivos locais e também prefeitos cuidem de reformular suas regras previdenciárias.

No documento, os governadores destacam que o regime de Previdência é “substancialmente deficitário”, e é uma das causas da “grave crise fiscal enfrentada pelos entes da federação”.

Argumentam ainda que, caso não sejam adotadas medidas para a solução do problema, “o déficit nos regimes de aposentadoria e pensão dos servidores estaduais, que hoje atinge aproximadamente R$ 100 bilhões por ano, poderá ser quadruplicado até o ano de 2060, conforme estudo da Instituição Fiscal Independente – IFI, do Senado Federal”.

Segundo a equipe econômica, os estados podem economizar R$ 350 bilhões em 10 anos se estiverem inclusos na proposta debatida no Congresso.

“Por conseguinte, é indispensável contemplar a totalidade dos Estados e dos Municípios e o Distrito Federal na proposta de reforma da Previdência que hoje se encontra em discussão, a fim de evitar o agravamento da crise fiscal que já se mostra insustentável”, encerram os governadores nessa versão da carta.

Conforme a assessoria do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), no fim do dia uma versão atualizada será divulgada. Há ainda governadores que não assinaram o documentos.

Para Ibaneis, o momento político diferente, que elegeu novas caras no Congresso, tirou dos governadores o “controle sobre suas bancadas, como existia no passado”.

Essa é uma das cobranças que tem sido feita pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Fiel defensor da manutenção de estados e municípios no texto da Previdência que será votado por deputados e senadores, ele acredita na capacidade de alguns chefes de Executivos estaduais agregar votos a favor da proposta de emenda à Constituição.

DEIXE UMA RESPOSTA