Após operação da Polícia Federal, Lula demite diretor-adjunto da ABIN

0
4
O substituto será Marco Aurélio Chaves Cepik, hoje comandante da Escola de Inteligência da Abin - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Diante dos desdobramentos da operação da Polícia Federal (PF) que investiga a criação de um aparato clandestino por parte do governo de Jair Bolsonaro na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para perseguir opositores, o presidente Lula decidiu exonerar, na noite desta terça-feira (30/01), o diretor-adjunto da agência, Alessandro Moretti.

O substituto será Marco Aurélio Chaves Cepik, hoje comandante da Escola de Inteligência da Abin. A troca foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Oriundo da Polícia Federal, Moretti foi um dos quadros nomeados para assumir cargo na Abin durante o governo de Jair Bolsonaro, trabalhando junto ao agora deputado Delegado Ramagem (PL-RJ), que comandava a diretoria da agência. Com as suspeitas em cima de seu antigo chefe, a permanência de Alessandro Moretti se tornou insustentável para o governo.

Ramagem responde sob a suspeita de ter utilizado, com o aval da família Bolsonaro, o aparato da Abin para espionar rivais e fornecer informação privilegiada sobre inquéritos policiais contra o ex-presidente e seus filhos. Essa ala clandestina da agência ficou conhecida como “Abin paralela”, e a Polícia Federal identificou a existência de um núcleo político, supostamente coordenado pelo vereador Carlos Bolsonaro. Com informações do Congresso em Foco.