Instituto SENAI de Tecnologia em Energias Renováveis começa a funcionar no começo de 2022

0
142
IST

Um novo Instituto SENAI de Tecnologia deve começar a funcionar no início de 2022. Focado em energias renováveis, o novo Instituto funcionará no mesmo prédio onde fica o Instituto SENAI de Tecnologia em Eletrometalmecânica, em Maracanaú, em parceria com o SENAI Barra do Ceará. Estrategicamente alinhado ao mercado e ao momento econômico do estado do Ceará, o IST em Energias Renováveis vai atender e inovar o mercado nacional de energias renováveis com excelência operacional, forte capacidade de execução dos serviços e desenvolvimento de soluções e processos tecnológicos.

Nesse contexto, o Instituto SENAI de Tecnologia em Energias Renováveis fornecerá soluções inovadoras voltadas à geração e ao consumo racional de energias renováveis. Todo o projeto do IST em Energias Renováveis está alinhado às demandas de mercado para o crescimento industrial que o Ceará tem apresentado e projetado para os próximos anos. A partir de visitas técnicas realizadas a empresas, laboratórios e institutos parceiros, foram determinados os serviços com maior relevância dentro de cada segmento. O escopo de serviços incluirá Energia Eólica, Energia Solar, Hidrogênio Verde, Biomassa, Biocombustíveis, Eficiência Energética e Ensaios Ambientais.

“O Instituto vem somar com outras instituições e iniciativas já existentes em uma atuação sinérgica para contribuir com as indústrias e a economia do Ceará”, afirma o Gerente de Inovação e Tecnologia do SENAI Ceará, Tarcísio Bastos. De acordo com o Diretor Regional do SENAI Ceará, Paulo André Holanda, o SENAI atua alinhado ao mercado. “O setor de energias renováveis é estratégico para o estado, principalmente com esses movimentos em relação ao Hidrogênio Verde. O Ceará deve ser referência mundial desse novo combustível e o SENAI está alinhado a essa demandas”, destaca.

A Universidade Federal do Ceará (UFC) e a Universidade Estadual do Ceará (Uece) são parceiras da iniciativa. Além dessas, o IST em Energias Renováveis poderá utilizar a Rede de Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento de serviços. Localizado no estado do Rio Grande do Norte, o recém-inaugurado ISI de Energias Renováveis no CTGÁS será o principal aliado para a realização de serviços na área.

Aumento da demanda por energia
A principal razão para o desenvolvimento de fontes adicionais de energia é o forte aumento da demanda que o mundo vai enfrentar nos próximos anos. O consumo de energia já aumentou em 65% nos últimos 30 anos, e de acordo com o relatório Bloomberg New Energy Finance (BNEF), até 2050, a demanda deverá crescer 62%.

Transição Energética
Além disso, o mundo passa pela chamada Transição Energética, a partir da constatação da necessidade de intensificação das medidas de redução dos gases do efeito estufa, para evitar a elevação da temperatura global em 3,3 ºC em 2100, que seria o cenário base atual. Conforme previsto no Acordo de Paris, se devem “envidar esforços para limitar esse aumento da temperatura a 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais, reconhecendo que isso reduziria significativamente os riscos e os impactos da mudança do clima”.

O relatório do BNEF indica que a produção de energia solar deve saltar de 2% da produção global de energia elétrica em 2018 para 22% em 2050, enquanto que a geração eólica subirá dos 5% atuais para 26%. Ainda conforme o relatório, as fontes de geração eólica e solar responderão por 56%, e as renováveis como um todo, responderão por 69% da matriz de geração de energia elétrica em 2050.

De acordo com a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), Energia renovável e eficiência energética, juntas, oferecem mais de 90% das medidas necessárias de mitigação para reduzir as emissões relacionadas com a energia no Cenário de Transição Energética.

Em 2020, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Ceará ultrapassou a marca de 10 mil sistemas de energia solar instalados em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos, no segmento conhecido como Geração Distribuída de Energia. No ano, o estado recebeu 6.050 novas conexões de sistemas fotovoltaicos de geração distribuída, o que representou um incremento de 135% em relação ao registrado em 2019 (2.573 novas conexões). Apenas nos dois primeiros meses de 2021, o Estado recebeu mais 622 novas conexões de sistemas solares. Com esse incremento, o Ceará se consolida como maior potência do Nordeste. O município de Fortaleza é o único com mais de 1 milhão de habitantes localizado no chamado cinturão solar do Brasil, o que facilita a instalação de geração distribuída de energia.

Hidrogênio Verde
Diante do cenário das mudanças climáticas, muitos países estão buscando urgentemente formas de suprir suas demandas energéticas sem continuar prejudicando o meio ambiente. Uma das soluções que algumas nações estão desenvolvendo é o hidrogênio verde, também conhecido como hidrogênio renovável. Embora não tão conhecido ou difundido como as energias solar e eólica, o hidrogênio verde é considerado por muitos cientistas e especialistas como a melhor inovação dos últimos tempos para combater os efeitos dos gases estufa, por emitir apenas vapor de água, não deixando resíduos no ar, ao contrário do carvão e do petróleo.

Recente relatório da Bloomberg colocou o Brasil como um dos países com maior competitividade para produção do hidrogênio verde, em 2050. Antecipando-se a esse movimento, o Governo do Ceará anunciou, no dia 19 de fevereiro de 2021, em parceria com a FIEC, o Hub de Hidrogênio Verde (H₂V) do estado, programa de energia limpa que inclui a construção de uma usina no Complexo Industrial Portuário do Pecém. Conforme projeções de especialistas, o Ceará deve ser o maior produtor de hidrogênio verde do País e também o principal exportador para a Europa, transferindo o produto através do Porto do Pecém, com destino ao Porto de Roterdã, na Holanda.

Em outubro, o SENAI Ceará promoveu as primeiras turmas do curso gratuito de Introdução ao Hidrogênio Verde, que contou com mais de 3.100 matrículas de estados de todo o Brasil, além de pessoas de outros países.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here